segunda-feira, 12 de maio de 2008

Meu amor sem fim

Nunca se sabe
O que as estreslas
Podem nos dizer
Quando elas caem dos céus;

Numa noite triste,
No final do outono,
Uma estrela apareceu
Diante de todas a minhas lágrimas.
Ela me pidiu
Que não mais chorasse,
Pois ela brilharia toda a felicidade
Que eu precisasse.

Pode ser
Que diante do seu beijo
Eu entenda o que você me disse.

Se eu apredi uma coisa
Nesses tempos,
É que eu vou te amar
Até o dia em que todas as estrelas acabarem,
Ou no dia em que amar
Não fará o menor sentido.

Ninguém sabe como é grande,
Como é sentido,
O meu amor
Por você;
Espero ansioso
O chamado dos corações
Para que eu possa te dizer tudo
Cara a cara
E nunca mais me arrepender
De te amar eternamente.

Nícholas Mendes.

2 comentários:

juliana disse...

estava esperando mais uma poesia aqui!

como disse, ja é de lei agora!

linda essa poesia!acho que uma das mais bonitas!
bjos Poeta!

aleeh disse...

Wiii o/
Passando aqui mais uma veez ^^~
Parabéens ;*

Notas do autor:

Coloquemos uma coisa na nossa cabeça;
Que ainda falta muito para um final.
Afinal ninguém define um final
Sem se empenhar no começo.

O final não é sinônimo de morte,
Não é antítese de início,
Não se compara com a vida
E não significa própriamente um final.

Se por acaso seu começo é fraco
E ainda teme um final,
Simples
Viva sempre no meio;
Pois é ai que você pensa que o livro não tem fim.

Nícholas Mendes (Puck Todd)

Tudo é mais do que pode parecer:

Tudo é mais do que pode parecer:
Veja as coisas com todos os olhos.