domingo, 29 de junho de 2008

Seu último poema

Resolvi seguir minha mente,
Pensar em planos
E te esquecer.

Se você um dia voltar
Para esse lugar sem graça,
Digo a você
Que não serei o mesmo.

Você pode achar estranho,
Ou até mesmo nem perceber
Que eu mudei;

Pois quando você chegar
Eu irei viajar.

Agora eu serei eu
E espero que você entenda
Que tudo mudou por um motivo.

E quanto a nós?
Não se preocupe,
Nunca existiu.

Do fundo do meu coração,
Aproveite todo esse tempo
E viva apenas o hoje,
Pois agora irei pensar no meu bem.

E quanto a você?
Ficará bem.

Nícholas Mendes.

3 comentários:

juliana disse...

Nic!olha eu aqui de novo!
ahh..sempre muito lindas suas poesias!não teve nenhuma que nao gostei!

bjus

Iago disse...

O balé te deixou inspirado hein . . .
É interessante essa sua veia romântica, porque você consegue ser suave e áspero ao mesmo tempo, nos apresentando melancolia com uma pitada de esperança.
Parabéns mais uma vez, aliás, nunca conseguirei te cumprimentar o suficiente. Ah, e se por acaso houve uma inspiração de sua vida pessoas, vá em frente e nunca desanime.
Abraços.

lana disse...

é esse? :S

Notas do autor:

Coloquemos uma coisa na nossa cabeça;
Que ainda falta muito para um final.
Afinal ninguém define um final
Sem se empenhar no começo.

O final não é sinônimo de morte,
Não é antítese de início,
Não se compara com a vida
E não significa própriamente um final.

Se por acaso seu começo é fraco
E ainda teme um final,
Simples
Viva sempre no meio;
Pois é ai que você pensa que o livro não tem fim.

Nícholas Mendes (Puck Todd)

Tudo é mais do que pode parecer:

Tudo é mais do que pode parecer:
Veja as coisas com todos os olhos.