sábado, 28 de junho de 2008

Minhas Vozes

Sussuros agoniantes,
Que fazem minha cabeça;
Fantasmas arrepiantes
Que não querem que eu os conheça.

Está com medo,
Com muito medo,
Chorando pelos cantos.
Cresça e levante.

Meus amigos,
O que eu faço com minha raiva?

Guarde-a e use-a,
Pois foi ele que te injustiçou;
Foi por ele que te encontramos.

Queridos amigos,
Que palavras me dizem?

Vingança!

Mas essa está tão longe
...

Morte!
...

Morte...

Você,fraco,
Será jogado para os lobos,
Pelo seu pecado
De ser tolo.

Saiam!
Ainda sou humano.

Demônio!
Não mais é humano,
Demônio tolo.

Nícholas Mendes.

2 comentários:

Iago disse...

Cara, d+++++++++!
Você tem realmente o dom de transmitir em palavras os mais profundos sentimentos.
Saiba que você não deve em nada pra qualquer grande poeta, pois você já é um, e dos maiores.
"Minhas Vozes" é mais um de suas obras-primas, e merece minha mais profunda reverência.
Continue assim.

juliana disse...

concordo com o Iago!
;)

Notas do autor:

Coloquemos uma coisa na nossa cabeça;
Que ainda falta muito para um final.
Afinal ninguém define um final
Sem se empenhar no começo.

O final não é sinônimo de morte,
Não é antítese de início,
Não se compara com a vida
E não significa própriamente um final.

Se por acaso seu começo é fraco
E ainda teme um final,
Simples
Viva sempre no meio;
Pois é ai que você pensa que o livro não tem fim.

Nícholas Mendes (Puck Todd)

Tudo é mais do que pode parecer:

Tudo é mais do que pode parecer:
Veja as coisas com todos os olhos.