sábado, 20 de setembro de 2008

Quando querer escrever

É algo que me vem na cabeça,
Algo que me explode o coração,
Que me deixa agitado,
Feliz e animado.

Toda essa euforia vem de Tanrea,
De quando eu falo com você,Tanrea;
Ou de quando eu te vejo.

É algo que logo vira música,
As minhas músicas.
É um outro ser que me toma o lugar,
O lugar da conciência.

É alegria,de querer pular,
É agitação,de querer gritar,
É beleza,de ficar bobo,
É simplesmente explosão da inspiração;

É saber cantar a música sem saber a letra,
É tentar descobrir o final da história,
É ficar feliz de ter caneta e papel;
Tudo isso é só vontade de escrever.

Nícholas Mendes (Puck Todd)

4 comentários:

juliana disse...

ahhh..quem coisa incrivel!como é lindo!
é exatamente isso que eu sinto pra escrever "algo bom"..
ai Nih..como pode em?
como vc consegue escrever tão bem..definir tao bem as coisas boas da vida!
parabéns!

juliana disse...

ahhh..que coisa incrivel!como é lindo!
é exatamente isso que eu sinto ao escrever "algo bom"..
ai Nih..como pode em?
como vc consegue escrever tão bem..definir tao bem as coisas boas da vida!
parabéns!

Fernando Neves ~ KroSS ® disse...

Eee-laiaaa...
da onde vc tira tanta inspiração pra escrever?!
Será dessa Tanrea msm?!?
Me mostra ela!?/
*.*

Zuera.

Gostei do texto, apropósito.
:D

Anônimo disse...

Nícholas fiz essa poesia pro Acampamento FAC(o mesmo que você fez), e gostaria de lhe mostrar pra talvez lhe trazer inspiração sobre aquele acampamento e pra que lhe traga boas lembranças da fazenda!

Poesia feita pensando no Acampamento FAC!


Ainda não encontro respostas,
Para saber quem sou,
Mais tenho um desejo,
De estár com o Senhor.

Meus olhos fixos em você estará,
E nada então ira me derrubar,
Meus caminhos não vou trocar,
Pois deles eu posso te enxergar.

Sozinha nunca estarei,
E sobre a luz caminharei,
A cidade do amor eu conheci,
E de lá não quero mais sair.

O pecado eu exprementei,
Mais a santidade eu encontrei,
E com ela veio a Salvação,
E livre está meu coração.

Ir embora não é facil,
Mais meus anjos eu tenho ao meu lado,
Saudades então ficará,
E de minha memoria não sairá.

Notas do autor:

Coloquemos uma coisa na nossa cabeça;
Que ainda falta muito para um final.
Afinal ninguém define um final
Sem se empenhar no começo.

O final não é sinônimo de morte,
Não é antítese de início,
Não se compara com a vida
E não significa própriamente um final.

Se por acaso seu começo é fraco
E ainda teme um final,
Simples
Viva sempre no meio;
Pois é ai que você pensa que o livro não tem fim.

Nícholas Mendes (Puck Todd)

Tudo é mais do que pode parecer:

Tudo é mais do que pode parecer:
Veja as coisas com todos os olhos.