domingo, 13 de julho de 2008

Todos Merecem...

Aquela rosa morta,
Podre
E abandonada...
Fui eu que matei.

Aqueles pássaros,
Que aqui voavam,
Foram embora...
Eu os expulsei.

Fico sozinho,
Com meus únicos amigos,
Pássaros pretos que não pensam,
Flores mortas que não falam.

Ouço apenas os sussuros
Dos meus solitários amigos;
Mas em breve...
Adeus!

Vocês já me trouxeram
Meus rubis;
Quando precisar
Gritarei por vocês.

Pois agora,
Minha honra
Está em pé novamente.

Nícholas Mendes (Puck Todd)

Um comentário:

fror de maracuja disse...

*__*

adorei!
gosto desse tipo de poesia que vc faz!
:)

gosto de todas, aliás!
hihi

boa noite Tchutchu!

Notas do autor:

Coloquemos uma coisa na nossa cabeça;
Que ainda falta muito para um final.
Afinal ninguém define um final
Sem se empenhar no começo.

O final não é sinônimo de morte,
Não é antítese de início,
Não se compara com a vida
E não significa própriamente um final.

Se por acaso seu começo é fraco
E ainda teme um final,
Simples
Viva sempre no meio;
Pois é ai que você pensa que o livro não tem fim.

Nícholas Mendes (Puck Todd)

Tudo é mais do que pode parecer:

Tudo é mais do que pode parecer:
Veja as coisas com todos os olhos.