quinta-feira, 24 de julho de 2008

Depois de você ir,.

Nesses dias sem você,
Eu tenho pensado.
...
Mentira!
Eu não consigo pensar,
Nem mesmo para escrever uma poesia.

É duro aceitar
Que você foi embora
E que levou tudo.

Todos os pássáros,
Borboletas,flores;
Todas as músicas.

É simples assim,
Como mágica pra mim.

Você se vai,
Minha animação te acompanha,
Meus pensamentos te protegem;

Nem mesmo a raiva você me deixou;
Nem pra ela eu posso escrever;
Você me deixou de castigo,
Junto com a ansiedade

Nícholas Mendes. (Puck Todd)

Um comentário:

Iago disse...

Cara, cada vez fica mais difícil comentar aqui. Você sempre me surpreende, melhorando toda hora. Impressionante como você esgota meu repertório de elogios! Nesse poema, você atingiu o ápice da série romântico-melancólica dessa última semana, com um brilhantismo raríssimo de se ver. Seus versos são fotografias da alma e nos fazem confrontar sentimentos muitas vezes ignorados, que, com sua coragem de revelá-los, vêm à tona. Os meus mais sinceros cumprimentos para aquele que é, sem dúvida, o maior poeta cuja honra tive de conhecer. Até breve.

Notas do autor:

Coloquemos uma coisa na nossa cabeça;
Que ainda falta muito para um final.
Afinal ninguém define um final
Sem se empenhar no começo.

O final não é sinônimo de morte,
Não é antítese de início,
Não se compara com a vida
E não significa própriamente um final.

Se por acaso seu começo é fraco
E ainda teme um final,
Simples
Viva sempre no meio;
Pois é ai que você pensa que o livro não tem fim.

Nícholas Mendes (Puck Todd)

Tudo é mais do que pode parecer:

Tudo é mais do que pode parecer:
Veja as coisas com todos os olhos.