segunda-feira, 14 de julho de 2008

Obcecação,o amor viciado.

Tolas as pessoas
Que me amam,
Tolas as pessoas
Que não me temem.
Tolas as pessoas
Que me visitam;
Tolas as pessoas
Que vivem ao meu lado.
Tolas as pessoas
Que me acham normal,
Tolas as pessoas
Que tentam me ajudar.

Sozinho eu ouço
O silêncio,
Os gritos agoniantes
De fantasmas atormentantes,
Os sussuros
De sentimentos perigosos.

Fiquem sozinhos,
Fiquem se agoniando.

Se quiserem podem me seguir,
Irei para outro lugar;
Sairei desse ciclo de sangue
E iniciarei outro.

Vou-me,
Com meus tormentos;
Para quem fica,
Adeus!

Nícholas Mendes (Puck Todd)

2 comentários:

juliana disse...

hhaaa!
que legal..vc escreveu varias poesias sobre a peça "Mal secreto"
eu sabia que vc escrevieria!
ficaram ótimas..eu adorei!

Anônimo disse...

E aqui você encerra mais um ciclo poético de alta criatividade. Nesse poema, você subverte a própria idéia da felicidade, da tranqüilidade de espírito, mostrando-as apenas como um breve intervalo, quase inexistente, entre períodos de tormento. Você tem o dom de mostrar os abismos da alma de forma sutil, sendo impossivel não se envolver com os sentimentos de seu eu-lírico. Esse é seu grande diferencial, fazer com que mergulhemos em experiências espantosamente profundas, para depois nos resgatar com a rigidez de um "Adeus", inflexível, plena tradução de nossa tão renegada finitude. Como já disse em outros posts, nenhum elogio chega sequer perto do que você merece, mas, se isso tiver algum valor, saiba que tem a uma grande admiração de minha parte, e que sempre lutarei para que esse brilhante poeta nunca arrefeça em seus propósitos. Até a próxima.

Notas do autor:

Coloquemos uma coisa na nossa cabeça;
Que ainda falta muito para um final.
Afinal ninguém define um final
Sem se empenhar no começo.

O final não é sinônimo de morte,
Não é antítese de início,
Não se compara com a vida
E não significa própriamente um final.

Se por acaso seu começo é fraco
E ainda teme um final,
Simples
Viva sempre no meio;
Pois é ai que você pensa que o livro não tem fim.

Nícholas Mendes (Puck Todd)

Tudo é mais do que pode parecer:

Tudo é mais do que pode parecer:
Veja as coisas com todos os olhos.