segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Floresta inventada

Árvores altas,contorcidas
Que tampam a luz do sol
Juntamente do lodo
Traiçoeiro e escorregadio
Formam um cenário milenar,
Uma floresta perdida.

As pedras escorregadias,
Pontiagudas e soltas
Machucam-me os pés
E os insetos castigam-me o rosto.

Ventos gelados e úmidos
Castigam os outros membros.
E aliado à gélida escuridão
Esses ventos gritam aos meus ouvidos
Caminhos cada vez mais perdidos.

Nem ao menos um rio
Para saciar a sede;
Nem ao menos uma fruta
Para enganar minha fome.

Apenas Tanrea nos sonhos
Mostrando-me os caminhos
E os perigos de seu coração.

Talvez seja por isso
Que eu tanto ame essa suposta floresta.

Nícholas Mendes (Puck Todd)

Um comentário:

Fernando Neves ~ [ KroSS® ] disse...

Eitá, Nícholas! Curti esse teu poema.
Nossa. Sério: eu comecei a sentir frio sobre a minha surperfície carnal só de ler aquelas estrofes que dizem a respeito dessa floresta.
Gostei tbm do fato paradoxal da floresta ser tão hostil aos seres que nela vagam: tanto os animais qto aos aventureiros.

Faz uma dissertação! Sei que aqui só se encontra poemas e talz... mas qm num texto pode haver mta poesia!!!
Nossa. Fiquei mtu curioso pra saber mais sobre a Floresta e sobre a Tanrea!!!
>.<'

Bom. Ao morrer de curiosidade me contento lendo outras vezes pra ver se há entre linhas pelo poema.

Gostei dessa parte: "Ventos gelados e úmidos
Castigam os outros membros.
E aliado à gélida escuridão
Esses ventos gritam aos meus ouvidos
Caminhos cada vez mais perdidos." - Li mais de uma vez nesse verso, pq realmente me perdi. Deve ser a vista cansada. Não sei... mas qu'eu me perdi, eu me perdi.
aUIHAIAuiHAuiHU!!!

É isso ae k'ra!

Ah, outra coisa. To tentano fazer esse treco de atualizações. Pq sempre que venho tem coisa nova. Mas ngm me avisa, poxa.
>.<'

Bom. É isso ae!
Escreve mais! Contorce essa mente, explora o teu subconciente, teu mundo onírico... e escreve mais!!!
Pq eu quero ler!

aUIahUIhaiuA
Zuera!

Parabéns!!!

Flw!

Notas do autor:

Coloquemos uma coisa na nossa cabeça;
Que ainda falta muito para um final.
Afinal ninguém define um final
Sem se empenhar no começo.

O final não é sinônimo de morte,
Não é antítese de início,
Não se compara com a vida
E não significa própriamente um final.

Se por acaso seu começo é fraco
E ainda teme um final,
Simples
Viva sempre no meio;
Pois é ai que você pensa que o livro não tem fim.

Nícholas Mendes (Puck Todd)

Tudo é mais do que pode parecer:

Tudo é mais do que pode parecer:
Veja as coisas com todos os olhos.