segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Rotina

Uivam os lobos da desgraça,
Soam as trombetas da raiva,
Gritam os gritos de fúria
E nasce o sol da noite longa.

Noite fria,
Que assombram os temores
E afogam os medos
Em profundas leituras.

Nasce o sol do novo dia;
Tédio.
Dura horas e horas escaldantes;
Tédio.
Com fracas palavras nauseantes;
Tédio.
Que não inspiram o novo mundo;
Tédio.

Assim,
No fim das horas,
Tudo volta.

Uivam os lobos da desgraça,
Soam as trombetas da raiva,
Gritam os gritos de fúria
E nasce o sol da noite longa.

Assim,
No início desse escuro,
Tudo passa.

Noite fria,
Que assombram temores
E afogam medos
Em profundas leituras.

Nasce o sol do novo dia;
Tédio.
Dura horas e horas escaldantes;
Tédio.
Com fracas palavras nauseantes;
Tédio.
Que não inspiram o novo mundo;
Tédio.

Penso eu
Que ainda ei de fazer
Todo esse dia escaldante-tedioso
Vastas horas de leitura curiosa.

Assim,
No fim das horas,
Tudo volta.

Nícholas Mendes. (Puck Todd)

Um comentário:

Fernando Neves ~ [ KroSS ® ] disse...

Eitá! Achei interessante esse poema!
Parabéns, kra! Tá mtu legal!

Então, gostei do poema pq parece que é uma música, tem refrão até!
>.<'

Achei interessante o jogo de palavras usadado... e tem outra coisa que achei legal: bem agressivo!
Esse negócio de Lobos uivando. Mano do céu! Isso dá arrepio na espinha!
>.<'

Uhul!

Notas do autor:

Coloquemos uma coisa na nossa cabeça;
Que ainda falta muito para um final.
Afinal ninguém define um final
Sem se empenhar no começo.

O final não é sinônimo de morte,
Não é antítese de início,
Não se compara com a vida
E não significa própriamente um final.

Se por acaso seu começo é fraco
E ainda teme um final,
Simples
Viva sempre no meio;
Pois é ai que você pensa que o livro não tem fim.

Nícholas Mendes (Puck Todd)

Tudo é mais do que pode parecer:

Tudo é mais do que pode parecer:
Veja as coisas com todos os olhos.