quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

Lágrimas de sangue.

Pessoas nos olham
Com outros olhos;
Nos julgando.

Quando pensamos estar bem
Eles nos atacam,
Como se fossemos montros,
Nos separam.

É difícil eu sei
Aceitar que não é culpa deles.

Eu fiquei apenas
Com sua lágrima de sangue
E lembraças de sua tristeza.

As cegas você ficou
Sem saber o que fazer.

Desculpe
Não poderei te vizitar,
Pois eles me arrancaram as asas.

Mas ainda estamos juntos,
Quando olhamos para as estrelas.

Separados,
Atravéz de um grande portão
Esperando nossa destino,
Num dia branco e vermelho.


"Essa poesia foi inspirada numa época de preconceito,separação e matanças,o nazismo.
Ele conta uma breve história de um casal separado pelos oficiais da morte,por isso foi escrita,exclusivamente em vermelho,para mostrar o amor e o sangue derramado."

Nícholas.

2 comentários:

Laís disse...

num preciso nem fla q eu fikei mto emocionada com o poema neh
pq tpo, eh um poema super bonito e que traduz a dor da separa�o numa �poca super violenta
adorei o poema Nih

bjoo
;**

Renata disse...

tbm adorei '-' bem forte, triste;

Notas do autor:

Coloquemos uma coisa na nossa cabeça;
Que ainda falta muito para um final.
Afinal ninguém define um final
Sem se empenhar no começo.

O final não é sinônimo de morte,
Não é antítese de início,
Não se compara com a vida
E não significa própriamente um final.

Se por acaso seu começo é fraco
E ainda teme um final,
Simples
Viva sempre no meio;
Pois é ai que você pensa que o livro não tem fim.

Nícholas Mendes (Puck Todd)

Tudo é mais do que pode parecer:

Tudo é mais do que pode parecer:
Veja as coisas com todos os olhos.