quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Quase soneto de saudade.

Me afogo tristemente
Nas palavras firmes desse poema
Para fugir da realidade
De um plano tão incerto.

Ah!Me queimo trsitemente
Nas belas músicas de ontem
Para que possa sonhar novamente
Um sonho.
Não viver um pesadelo.

Ah!Me choro tristemente
Nas palavras ecoadas pelo ar
Em uma alma tão marcada.

É com tua dura partida
Que agora eu me desmancho nesse poema
De saudade de você.

Nícholas Mendes (Puck Todd)

2 comentários:

Fernando Neves [ KroSS® ] disse...

Realmente, esse quase soneto está com um ar mtu triste.
>.<'

T.T

Isso pq eu havia lido um poema aqui mó amoroso e feliz!
>.<'

Le fils de la mort disse...

Então, li o seu comentário no meu último post. Sinto muito pelo que aconteceu, fique tranqüilo que você supera, pois você é muito maior que isso e sempre consegue acordar do pesadelo.

Mas, como tudo tem seu lado bom, você aproveitou-se do que sentia para produzir um belíssimo poema. A começar pelo título: é difícil nomear um texto de forma que ele atraia o leitor, mas você conseguiu isso formidavelmente. "Quase soneto de saudade" já prenuncia algo magnífico.

Mantendo a sua sensibilidade e criatividade, você utiliza-se de estruturas semelhantes que gradativamente evoluem até a dissolução do eu lírico, que "se chora", confundindo-se com suas próprias lágrimas.

Enfim, volto a dizer que estou diante de mais uma obra-prima sua (o que já virou clichê). Por isso te dou mais uma vez parabéns, e obrigado por ter a coragem de compartilhar seus sentimentos produzindo poemas tão tocantes. Caso precisar, eu tô sempre aqui, pode contar comigo ^^

Flw, até mais.

Notas do autor:

Coloquemos uma coisa na nossa cabeça;
Que ainda falta muito para um final.
Afinal ninguém define um final
Sem se empenhar no começo.

O final não é sinônimo de morte,
Não é antítese de início,
Não se compara com a vida
E não significa própriamente um final.

Se por acaso seu começo é fraco
E ainda teme um final,
Simples
Viva sempre no meio;
Pois é ai que você pensa que o livro não tem fim.

Nícholas Mendes (Puck Todd)

Tudo é mais do que pode parecer:

Tudo é mais do que pode parecer:
Veja as coisas com todos os olhos.