terça-feira, 1 de setembro de 2009

Cavalgar na poesia,

Quero ser poeta
E divagar devagar.
Quero poder, viver e ser;
Divagar e divagar...
... ... ...
Vamos, pensamento passarinho,
Passa devagar, devagarinho.

Nícholas Mendes (Puck Todd)

Um comentário:

Natalia disse...

procura da poesia:
não faça versos sobre acontecimentos/
Não há criaçao nem morte perante a poesia/
Diante dela, a vida é um sol estático/
não aquece nem ilumina.
(...)
Penetra surdamente no reino das palavras/
lá estão os poemas que esperam ser escritos/
estão paralisados, mas não há desespero/
há calma e frescura na superfície inata/
ei-los sós e mudos, em estado de dicionário/
convive com teus poemas antes de escre-los/
tem paciência se obscuros. Calma, se te provocan/
espera que cada um se realiza e consume/
com seu poder de palavra/
e seu poder de sliêncio.
/Não forces o poema a desprender-se do limbo/
não colhas do chão o poema que se perdeu/
Nào adules o poema. Aceita-o/
como ele aceitará sua forma definitiva e concentrada no espaço/
chega mais perto e contempla as palavras/
cada uma tem mil faces secretas sob a face nutra/
e te pergunta, sem interesse pela resposta/
pobre ou terrível, que lhe deres:/
trouxeste a chave?
(...)
carlos drummond de andrade

Notas do autor:

Coloquemos uma coisa na nossa cabeça;
Que ainda falta muito para um final.
Afinal ninguém define um final
Sem se empenhar no começo.

O final não é sinônimo de morte,
Não é antítese de início,
Não se compara com a vida
E não significa própriamente um final.

Se por acaso seu começo é fraco
E ainda teme um final,
Simples
Viva sempre no meio;
Pois é ai que você pensa que o livro não tem fim.

Nícholas Mendes (Puck Todd)

Tudo é mais do que pode parecer:

Tudo é mais do que pode parecer:
Veja as coisas com todos os olhos.