terça-feira, 31 de janeiro de 2012

O corpo fala:

És tu, meu grande amor,
Que não entende o meu corpo.
Se ele chora
Ou se ele sorri. Como criança.


És tu, meu amor
O único que não me entende.


És tu, meu amor, 
Que não sabe se meu sorriso
Quer dizer morte, ou
Se quer dizer:
- Ei, venha me dar um beijo!


És tu que não entende,
Que gritos também podem dizer:
- Olha aqui, seu bobo, eu te amo...


E é por isso, meu amor,
Que você não sorri para mim.


Nícholas Osório Mendes.

Um comentário:

Lock Smith disse...

I was very pleased to find this site.I wanted to thank you for this great read!! I definitely enjoying every little bit of it and I have you bookmarked to check out new stuff you post. cotton twill

Notas do autor:

Coloquemos uma coisa na nossa cabeça;
Que ainda falta muito para um final.
Afinal ninguém define um final
Sem se empenhar no começo.

O final não é sinônimo de morte,
Não é antítese de início,
Não se compara com a vida
E não significa própriamente um final.

Se por acaso seu começo é fraco
E ainda teme um final,
Simples
Viva sempre no meio;
Pois é ai que você pensa que o livro não tem fim.

Nícholas Mendes (Puck Todd)

Tudo é mais do que pode parecer:

Tudo é mais do que pode parecer:
Veja as coisas com todos os olhos.